lai

Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

Página Inicial Notícias Hospital César Cals realiza treinamento em endometriose profunda
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Hospital César Cals realiza treinamento em endometriose profunda
Seg, 21 de Agosto de 2017 11:47

alt

Uma doença que pode levar mais de oito anos para ser diagnosticada porque os sintomas são comuns a outras enfermidades, como a síndrome do intestino irritável. Assim é a endometriose, que atinge mulheres em idade fértil. A doença causa dores intensas e afeta consideravelmente a qualidade de vida. Para permitir um tratamento cada vez mais adequado e ofertar um serviço especializado, o Hospital Geral Dr. César Cals, da rede pública do Governo do Ceará, realiza o I Mutirão de Endometriose, com treinamento em serviço e transmissão ao vivo da cirurgia, nos dias 25 e 26 de agosto. A transmissão terá início às 13 horas, na sexta-feira, e às 8 horas, no sábado.

Podem participar médicos ginecologistas, coloproctologistas, urologistas, anestesistas, residentes, internos, bem como enfermeiros. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. . Ao todo, foram disponibilizas 40 vagas para participantes do HGCC e de outros hospitais. O treinamento é realizado em parceria com o Instituto Crispi de Cirurgias Minimamente Invasivas. O objetivo é conscientizar os profissionais de saúde e a comunidade em geral sobre o diagnóstico e o tratamento da endometriose e ainda, apresentar aos profissionais as técnicas cirúrgicas padronizadas para melhor desempenho do procedimento e os tipos de tratamento clínicos e medicamentosos da doença.

Cinco pacientes, previamente selecionadas no ambulatório de ginecologia do Hospital César Cals, passarão pela cirurgia nos dois dias. É o caso de Maria Regina Rodrigues de Sousa Martins, de 42 anos, sargento da polícia militar. Mãe de um jovem de 20 anos, ela conta que tinha o sonho de também ter uma filha, o que não foi possível. Em 1998, ela teve um aborto e as dores sempre se intensificavam. A doença só foi detectada durante uma cirurgia de histerectomia, realizada em 2013. “Mesmo eu sempre indo ao médico constantemente, a endometriose nunca havia sido detectada”, lembra Regina. O que ela mais deseja após o procedimento é voltar a ter mais qualidade de vida e praticar esportes. “Eu espero ter uma vida sem dores”, diz esperançosa.

alt

No caso de Maria Regina, a endometriose é ainda mais específica por já atingir outros órgãos, como intestino e bexiga. As dores são ainda maiores. “É tanta dor que eu acho que vou desmaiar”, afirma. Pacientes como ela são atendidas no Serviço de Endometriose Profunda do HGCC, estruturado em 2016. Para o diretor geral Antônio Eliezer Arrais Mota Filho, o Hospital César Cals reúne todas as condições necessárias para esse tipo de cirurgia, com equipamentos de vídeos modernos e estrutura técnica de suporte. “O Hospital César Cals disponibiliza no serviço público uma equipe multidisciplinar para possibilitar atender mulheres que sofrem com a doença”, destaca.

Durante os dois dias, os procedimentos cirúrgicos serão transmitidos ao vivo para os profissionais participantes. Além disso, haverá também palestras e debates sobre o diagnóstico, tratamento e as técnicas cirúrgicas. Conforme explica o médico Marinaldo Cavalcanti Melo Júnior, a endometriose “ocorre quando o tecido que reveste o interior do útero cresce fora dele, geralmente na superfície de órgãos na cavidade pélvica e abdominal”. Os principais sintomas são dor pélvica, fluxo menstrual intenso, dor durante a relação sexual, infertilidade, além de sintomas do intestino e da bexiga, que também podem ser identificados. “A dor pode ser intensa ao ponto de afetar a qualidade de vida de uma mulher, comprometendo as funções social e profissional. Mas ainda há algumas mulheres que são assintomáticas”, explica o médico.

No Hospital Geral César Cals, as pacientes são acompanhadas no ambulatório de ginecologia, onde após consultas e exames, são classificadas conforme as características clínicas da doença e indicação cirúrgica. É feito um acompanhamento por meio de uma avaliação prévia da história da paciente, casos na família, exames físicos e exames pré-operatórios indicados para o planejamento da cirurgia. Por mês, 15 cirurgias são realizadas. O procedimento é indicado quando a paciente apresenta sintomas, como dores, e não melhora com o tratamento clínico, como medicação, acupuntura, fisioterapia etc. E ainda quando os exames de imagens detectam nódulos e lesões que atingem outros órgãos pélvicos, além do útero.



Assessoria de Comunicação do HGCC
Wescley Jorge
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. / 85 3101.5323
Facebook.com/HospitalGeralCesarCals

 

Calendário

Maio 2021
D 2a 3a 4a 5a 6a S
25 26 27 28 29 30 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5